Folha do Comércio

Você está aqui: Vale do Aço Ipatinga

Ipatinga

Ballet na Usipa: leveza na dança, princípios na vida!

Desde 2014, Associação Esportiva e Recreativa Usipa conduz muitas crianças ao ballet, trilhando seus caminhos com seriedade e competência, e oferecendo oportunidades de revelar seus talentos, despertando-as para o mundo da dança.

A Academia Usipa oferece o ballet clássico para crianças de 3 a 12 anos de idade com excelente qualidade no ensino. Dispondo uma aula experimental gratuita antes da matrícula, possibilita-se um melhor conhecimento da metodologia e didática aplicada na aula.

O ballet clássico tem o poder de nos levar a lugares que existem somente na nossa imaginação e nos transpor a épocas vividas há muito tempo, por meio da dança, da música e dos sentimentos passados pelos bailarinos. As aulas na Usipa são ministradas pela instrutora Tatiany Fernandes que possui uma vasta experiência com dança.

Segundo a professora de ballet “a atividade combina com a musicalidade, lateralidade, coordenação motora e um pouco de teatralização. Além disso, auxilia na concentração, postura e ritmo, que são importantes para muitas outras atividades. Ele trabalha tanto o corpo quanto a mente, ajudando no desenvolvimento infantil como um todo, proporcionando o aumento da flexibilidade, resistência, agilidade e equilíbrio, além de melhorar seus reflexos. Para crianças que têm dificuldade de concentração na escola, por exemplo, o ballet é uma atividade super indicada para auxiliar nessa questão”, afirma Tatiany.

A Usipa, além de ser um espaço de aprendizado para seus alunos, é uma comunidade de pais, amigos e professores interessados em manter o ambiente, a mente e o corpo livre para receberem informações de qualidade.

 

Como ser uma bailarina usipense?

 

Acompanhada do responsável e mediante agendamento na Central de Atendimento da Usipa, a criança pode realizar uma aula experimental no clube.

 

PMI sedia encontro da Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde

A Prefeitura de Ipatinga sedia nesta quarta-feira,02, em seu auditório, no 7º andar, a Reunião de Mediação Sanitária: Direito, Saúde e Cidadania, promovida pela coordenação do Ministério Público do Estado de Minas Gerais.

No encontro será discutida a estratégia estadual de cofinanciamento tripartite do componente hospitalar da rede de resposta hospitalar de urgência e emergência da região. O evento terá início às 13h e será ministrado pelo promotor de Justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional das promotorias de defesa da saúde (CAO-SAÚDE), Gilmar de Assis.

Usiminas: se bancos japoneses não renegociarem títulos, siderúrgica pode ir à falência

Luz vermelha acesa na Usiminas. A companhia aguarda decisão dos bancos japoneses, liderados pelo Japan Bank for Internacional Coorperation (Jbic), sobre renegociação dos títulos internacionais que vencem em 2018. Se as instituições não aceitarem as condições propostas pela siderúrgica, ela pode ir à falência.

Em entrevista exclusiva ao Hoje em Dia, o presidente do grupo ítalo-argentino Ternium/Techint, Paolo Bassetti, afirmou que a Nippon pressiona os bancos para tornar o processo mais moroso. Ternium/Techint e Nippon são sócias controladoras da Usiminas e travam, na Justiça, uma batalha pelo comando da empresa.

Os japoneses são categóricos em afirmar que não interferem na negociação da companhia com os bancos internacionais. O diretor da Nippon, Kazuhiro Egawa, concorda, no entanto, que uma negativa dos bancos japoneses é capaz de ruir o patrimônio da siderúrgica.

Os títulos internacionais, também conhecidos como bonds, representam cerca de 8% da dívida da companhia. No ano passado, o restante do passivo, R$ 6,3 bilhões, foi renegociado mediante algumas condicionantes. A redução de R$ 1 bilhão do caixa da Mineração Usiminas (Musa) para fortalecimento do caixa da siderúrgica era uma das condições. A outra, e última fase do processo, era a renegociação dos bonds, que vencem em janeiro do ano que vem.

Inicialmente, a Usiminas firmou compromisso de pagar 50% do valor dos títulos em janeiro de 2018 e de renegociar os 50% restantes por meio de Oferta de Permuta, conforme nota da empresa. “Como divulgado em Fato Relevante no dia 23/06, a operação de oferta de troca das notas foi suspensa em virtude do entendimento da Usiminas de que sua realização não é vantajosa nas atuais condições de mercado”, diz o texto.

Segundo uma fonte ligada às negociações, como o caixa da siderúrgica está mais robusto, a ideia era quitar parte dos títulos antecipadamente. “No ano passado, a Usiminas contratou um banco especializado para conversar com os detentores dos títulos, que estão espalhados pelo mundo. Ficou claro que fazer uma negociação para rolar a dívida sairia caro, devido à situação econômica e política do país. Além disso, estamos falando de uma dívida em dólar”, afirma a fonte.

Os bancos brasileiros aceitaram quase que de imediato mudar os termos iniciais. Os japoneses, porém, pediram mais tempo para se posicionar. Eles têm até 31 de agosto para tomar a decisão. E é aí que está o problema.

Se os bancos estrangeiros não aceitarem a proposta de pagamento antecipado dos bonds, o acordo de renegociação da dívida total da companhia vai por água abaixo e será necessário quitar o débito de imediato. Como a companhia não tem caixa, a negativa seria uma pá de cal nos planos de recuperação.

 

 

PMI firma convênio com 14º BPM para maior segurança em Ipatinga

Batalhão deve contribuir em discussões relativas ao programa municipal para implantação de câmeras.

O comandante do 14º Batalhão de Polícia Militar de Ipatinga,tenente-coronel Juliano Fábio Lemos Dias, esteve no gabinete do prefeito Sebastião Quintão, na tarde de terça-feira (18), para assinatura de um termo de apoio da administração municipal à corporação. O repasse de recursos assegura melhores condições de trabalho ao policiamento ostensivo na cidade.

“A garantia de segurança à população é dever do Estado, mas nosso governo faz questão de cooperar para uma maior eficiência da atuação policial. Somos comprometidos com a ordem e a disciplina, que sem dúvida representa bem-estar para a coletividade”, disse Quintão.

Acompanhado do capitão Ademir Dias Cardoso, diretor de Logística, o comandante do 14º BPM, ten-cel. Lemos Dias, ressaltou que os recursos assegurados pela prefeitura viabilizam também a reforma e modernização da Intendência, unidade no quartel que entre outras funções atua em atividades de suprimento, distribuindo uniformes, equipamentos individuais e munições.

O 14º Batalhão atende a 11 municípios e conta com um efetivo de 550 policiais, 450 deles baseados em Ipatinga. De acordo com o comandante, de fevereiro a junho já foi constatada uma redução de 5% dos índices de crimes violentos na área de atuação da entidade, em comparação com o mesmo período do ano passado.

 

IPATINGA SEGURA

 

Durante a reunião, os oficiais militares também foram convidados a fazer parte do grupo que está trabalhando na implantação do programa ‘Ipatinga Segura’, que objetiva cobrir toda a cidade com câmeras de vigilância nas ruas, sendo os investimentos de moradores ressarcidos integralmente por ocasião das cobranças de IPTU – Imposto Predial e Territorial Urbano. O projeto já foi aprovado na Câmara Municipal, estando em discussão, no momento, com a participação de empresas de segurança eletrônica, detalhes operacionais.

O prefeito comentou que uma das grandes armas dos delinquentes é ter a sua identidade preservada, e a proposta do município é inibir a prática de crimes com a documentação permanente de atitudes suspeitas por meio de imagens. As câmeras também deverão contribuir para a proteção dos bens públicos contra a ação de vândalos.

Florada de ipês colore as ruas de Ipatinga

Ipatinga está mais colorida neste mês de julho, com a floração das diversas variedades de Ipês - brancos, amarelos e roxos -, coincidindo com a estação de inverno. São cerca de 15 mil exemplares desta árvore da família das Bignoniaceae atualmente espalhadas pelos principais corredores da cidade.  Citado no clássico Macunaíma, de Mário de Andrade, e em obra de Castro Alves, o ipê é considerado símbolo de força e resistência, também comentado na poesia de Carlos Drummond de Andrade.

A espécie é caducifólia, nome dado às plantas que, numa certa estação do ano, perdem suas folhas, geralmente nos meses mais frios e sem chuva (outono e inverno). A queda das folhas coincide com o período de floração, desfavorecendo o sombreamento por aproximadamente quatro meses.

O ipê é muito utilizado na arborização urbana do município por ser uma ótima árvore ornamental, de crescimento moderado a rápido e que não possui raízes agressivas.

Contudo, as árvores são frondosas e precisam de muito espaço para se desenvolver. Por isso, não devem ser plantadas embaixo de rede elétrica, calçadas ou canteiros muito pequenos. Em Ipatinga elas são vistas geralmente nos canteiros centrais.

A floração se dá em julho, tendo em vista as peculiaridades do clima e incidência de luz solar, quando os dias são mais curtos e as noites mais longas. Para sobrevivência da espécie, após a florada vem o fruto. As sementes, depois de amadurecidas, vão garantir a perpetuação da planta.

O desenvolvimento da fauna também é favorecido com a floração dos ipês, já que ela atrai polinizadores como beija-flores, marimbondos e abelhas (que também se alimentam do néctar das flores).

Página 43 de 44