Folha do Comércio

Você está aqui: Vale do Aço Ipatinga

Ipatinga

Hospital Márcio Cunha alerta sobre doenças causadas pelo mosquito Aedes aegypti no Vale do Aço

Postado em 12-01-18 às 17h49

 

Com a chegada do verão, a preocupação com doenças como a Dengue,  Zika, febre Chikungunya e Febre Amarela aumenta. O clima abafado e úmido aumenta a incidência de larvas do Aedes aegypti nas áreas onde a estação das chuvas coincide com altas temperaturas, como acontece no Vale do Aço. Assim, com condições meteorológicas que influenciam diretamente no processo de proliferação do mosquito, a Fundação São Francisco Xavier (FSFX) alerta a comunidade para que aumentem as ações de prevenção no dia a dia.   De acordo com a divulgação mais recente do Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa), Minas Gerais é o estado com mais municípios em alerta com risco de Dengue.

 

Em 2017,  o Hospital Márcio Cunha (HMC) notificou em Ipatinga mais de 750 casos de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Frente à epidemia do vírus da Dengue no país, e também do Zika, febre Chikungunya e Febre Amarela, o alerta da instituição para a população é combater o inseto, evitando os focos de água parada para sua reprodução. Outra recomendação importante, principalmente para as mulheres grávidas, é o uso diário de repelentes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), de acordo com as orientações dos fabricantes.

 

Atenção aos sinais

É importante estar atento a alguns sintomas que podem indicar as doenças. Os principais são febre, dores de cabeça, dores atrás dos olhos, no corpo e nas articulações, além de um desânimo acentuado que compromete o estado geral do infectado. Na dengue, além desses, a partir do terceiro ou quarto dia, ocorre o surgimento de manchas avermelhadas na pele e alterações na sensibilidade do paladar.

 

 

Já com a Febre Chikungunya, a intensidade dos efeitos é diferente. Dores nas articulações e no punho são frequentes e mais fortes, podendo atingir as mãos, joelhos e tornozelos, por até vários meses. O Zika vírus desenvolve uma dor de cabeça discreta, conjuntivite e dores articulares. Além disso, nos primeiros dias surgem as lesões cutâneas causando vermelhidão e coceira intensa pelo corpo, o que ocorre geralmente em metade dos casos das outras duas doenças.

 

Segundo o médico infectologista do Hospital Márcio Cunha, Aloísio Benvindo de Paula, com exceção da problemática da microcefalia, o Zika vírus é aparentemente o mais brando entre os três. O diagnóstico é primariamente clínico, sendo fundamental a percepção do paciente para identificação da doença. “É preciso contar ao médico o que está se sentindo e desde quando iniciou esses sintomas. Com isso, é possível identificar se há algum fenômeno hemorrágico (sangue pelo nariz ou pela gengiva ao escovar o dente), ou se existe alguma mancha na pele, para exames laboratoriais específicos”, conta o médico.

 

Caso o profissional suspeite de Zika, Chikungunya e, principalmente, Dengue, é feita a prova do laço, um procedimento com o aparelho de pressão para verificar se o paciente possui alteração na coagulação sanguínea. Se der positivo, é necessário realizar diariamente, até o sétimo dia após a identificação, a contagem de plaquetas e o hemograma completo. Só assim, é possível verificar se a pessoa não está perdendo sangue diariamente.

Como é o tratamento

Baseado na ingestão de líquidos em maior quantidade e medicação feita por analgésicos, o tratamento dessas doenças é apenas sintomático. Ou seja, ele alivia os sintomas, mas não age diretamente na causa. Para o bem-estar do paciente, não se deve utilizar anti-inflamatórios durante o período, pois esse tipo de medicamento pode causar efeitos colaterais, como sangramento e gastrite.

 

 

Para as grávidas, o procedimento é o mesmo, porém existe uma orientação do Ministério da Saúde a respeito da microcefalia. “É válido ressaltar que apenas uma margem pequena das gestantes que têm a virose irá desenvolver a microcefalia. Ou seja, não é toda gestante que pegar Zika que terá filho com esta característica ” afirma o Aloísio Benvindo.

Febre amarela

No início de 2017, Minas Gerais enfrentou um surto de Febre Amarela. Neste período, o leste mineiro concentrou o maior número de casos da doença. Um ano depois, estados como São Paulo, Rio de Janeiro entre outros, enfrentam um novo surto. Neste caso, a vacina é o meio de prevenção mais eficaz. Se você nunca se vacinou contra a doença ou não possui o cartão deve receber a primeira dose. Procure o posto de saúde mais próximo da sua casa para tomar a vacina.

 

 

Outra forma de prevenção é combater o transmissor. A Febre Amarela é transmitida por mosquitos em áreas urbanas e silvestres. Nas áreas florestais, o transmissor é o Haemagogus ou o Sabethes. Já no meio urbano, nas cidades, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti, o mesmo da dengue.

Usiminas comemora conquistas em segurança

 

Postado em 12-01-18 às 17h46

Companhia fechou o ano de 2017 sem registro de acidentes fatais em suas unidades

Se 2017 já vinha sendo marcante para a Usiminas em razão dos resultados operacionais e financeiros, agora, a empresa tem um motivo ainda mais importante para celebrar: depois de 23 anos, ao longo dos 365 dias não foi registrado nenhum acidente fatal nas operações da empresa.  O presidente da companhia, Sergio Leite, fez enalteceu a conquista. “Terminar o ano de 2017 sem acidente fatal, após 23 anos, é muito importante para todos nós, equipe Usiminas; são nossas vidas preservadas. Vamos construir um ano de 2018 na rota do Zero Acidente”, celebra.

Para o gerente geral de Segurança da Usiminas, Eduardo Moreira Barbosa, a marca reflete os esforços de gestão em relação à segurança. “Mesmo durante o período de crise mais aguda, a segurança seguiu como prioridade na Usiminas. Realizamos ações nas áreas de modo a reduzir riscos e também diversas iniciativas de conscientização junto aos colaboradores. Conquistamos melhorias em todos os índices de segurança do trabalho e seguimos trabalhando firmemente com a meta ideal de não registrarmos qualquer tipo de acidente nas nossas unidades e empresas”, afirma.

Barbosa aponta também para a criação de uma nova cultura de segurança dentro da empresa, a partir do envolvimento de toda a liderança, independentemente da área de trabalho, e do estímulo à busca de soluções e inovações por parte de toda a equipe. “É uma mensagem forte quando o operador consegue observar, na prática, que toda a empresa está focada no mesmo tema.”

Uma das várias ferramentas adotadas pela empresa na busca do acidente zero é o Programa Mãos Seguras, que valoriza sugestões das equipes internas em torno da segurança. Desde que foi criado, em 2014, já foram mais de 2 mil dispositivos  implantados nas áreas operacionais. “As mãos são, de modo geral, a parte mais exposta e sujeita a acidentes. Tendo esse ponto central, conseguimos avançar na preservação da integridade física e também em pontos importantes como ergonomia”, conta o gerente geral.

O sucesso da iniciativa foi inclusive reconhecido recentemente pela Word Steel Association, entidade que reúne as principais siderúrgicas do mundo, como Excelência em Segurança Operacional. O certificado foi entregue ao presidente da Usiminas, Sergio Leite, durante o congresso da associação, realizado na Bélgica, no último mês de outubro.

Na primeira semana deste mês de janeiro, mais 180 colaboradores da Usina de Ipatinga concluíram o treinamento para participarem da iniciativa. Segundo Remilson de Assis Pereira, coordenador do Projeto na Usina de Ipatinga, durante o treinamento os multiplicadores conheceram a maneira de acessar o novo programa, apresentando o fluxo completo das etapas de aprovação dos dispositivos enviados. “Com este curso, fortalecemos ainda mais o Mãos Seguras, reforçando a aplicação das ideias cadastradas nas áreas, tudo com o objetivo principal de evitar ocorrências com as mãos”.

Visão 360º

Além dos pontos diretamente ligados aos acidentes de trabalho, a Usiminas também vem apostando em uma frente de saúde e bem estar para reduzir as ocorrências. Em parceria com a Fundação São Francisco Xavier, entidade ligada à empresa, são desenvolvidos programas de estímulo à atividade física, alimentação saudável e redução do tabagismo, por exemplo.

O Sistema Usiminas de Saúde realiza, ainda, visita às áreas para observar quais os movimentos realizados pelos colaboradores, tipos de carga e afins e que possam refletir em dores e outras questões ergonômicas. “Essa visão ampla e a preocupação com o bem estar do colaborador reflete diretamente no comportamento em relação ao autocuidado”, destaca Eduardo Barbosa.

Aciapi e CDL estarão no bairro Horto

Postado em 12-01-18

Depois da bem-sucedida primeira ação do programa Aciapi-CDL Sempre Ao Seu Lado, no

Canaã, o bairro Horto foi o escolhido para receber a equipe das entidades. O trabalho será

iniciado no dia 15 (segunda-feira) deste mês.

Composto por muitos edifícios comerciais e por estabelecimentos de profissionais liberais

(como escritórios de advocacia, contabilidade, clínicas e consultórios), o bairro Horto

representa um importante polo comercial e de prestação de serviços na cidade de Ipatinga.

Deste modo, a Aciapi e CDL irá promover o levantamento das principais demandas da classe

empresarial do bairro e apresentar aos associados e não associados serviços exclusivos das

entidades.

O presidente da Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Prestação de Serviços de

Ipatinga (Aciapi), Cláudio Zambaldi, informa que a equipe estará empenhada na ação durante

toda a semana. “Do dia 15 ao dia 19 estaremos presentes nas ruas do Horto, indo em cada

estabelecimento comercial para ouvir os empresários, suas necessidades e anseios. Temos a

certeza de que, assim como foi no Canaã, a classe empresarial do bairro estará disposta a

buscar melhorias junto à Aciapi e CDL”, pontua Cláudio.

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Ipatinga, José Carlos de Alvarenga salientou

que o programa visa alcançar os principais polos comerciais de Ipatinga. “O nosso objetivo é

percorrer, ao longo do ano, todas as regiões da cidade para promover a integração da classe

empresarial, fortalecimento do associativismo e da representatividade dos empresários

perante os demais setores da sociedade”, avalia José Carlos.

Recuperação de nascentes em Ipagtinga

Postado em 12-01-18 às 17h35

Em parceria com o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piracicaba (CBH-Piracicaba), a Prefeitura de Ipatinga vem desenvolvendo no município o Programa ‘Rio Vivo’, parte de um amplo leque de ações voltadas para a recuperação ambiental que contempla várias regiões do município.

Os recursos para viabilização das ações são assegurados na cobrança pelo uso da água. A iniciativa conta com o apoio técnico do IBIO, agência do Comitê da bacia Hidrográfica do Rio Doce que trabalha para promover a gestão sustentável dos recursos hídricos.

Por meio da iniciativa, deverão ser contempladas 150 propriedades rurais do município com a implantação de tecnologias de infiltração e armazenamento de água - as chamadas barraginhas, que também servem para o controle de atividades geradoras de sedimentos e instalação de caixas secas; expansão do sistema de saneamento, com tratamento de esgoto e água, além de projetos de recuperação de nascentes, monitoramento e recuperação de Áreas de Preservação Permanente (APP).

O objetivo final do Programa é revitalizar os corpos d’água das localidades contempladas, aumentando a quantidade e qualidade dos recursos hídricos, promovendo o aumento da infiltração e armazenamento das águas de chuva no solo e, ainda, controle do carreamento de sedimentos para corpos d’água.

Prioritariamente, o Programa ‘Rio Vivo’ contempla os imóveis rurais pertencentes às comunidades de Pedra Branca, Ipaneminha e Tribuna, onde existam nascentes ou próximos aos cursos d’água.

A apresentação do Programa tem acontecido em visitas realizadas nas propriedades e reuniões com as comunidades. Neste encontros é que são realizados os diagnósticos de cada situação. A implementação das ações é definida para os imóveis cujos proprietários façam adesão.

A reunião mais recente aconteceu na quarta-feira,10, na Escola Municipal João Reis, no bairro Limoeiro, onde os proprietários rurais das localidades priorizadas tiveram a oportunidade de esclarecer dúvidas.

Importante instrumento de apoio

Maria da Penha Nogueira, proprietária de um imóvel que fica na divisa das comunidades rurais de Pedra Branca e Tribuna, era uma das participantes. No local já foi diagnosticada a existência de cinco nascentes. Tão logo ela conheceu a proposta, realizou a adesão.

“Estou muito animada com o Programa. Temos que ter consciência e fazer tudo que pudermos para recuperar a natureza, que vem sendo destruída pelos seres humanos. Devemos evitar também que o gado pisoteie os nossos cursos d’água, pois isso é uma das causas destruição das nascentes. O Programa mostra que podemos aproveitar a água que escorre dos morros, por meio das barraginhas. Ela infiltra na terra e volta a abastecer o curso d’água,evitando ainda o carreamento de terra que provoca assoreamento dos ribeirões provenientes das zonas rurais de Ipatinga”, comenta a moradora.

Conselho Cultural de Ipatinga é empossado

Postado em 12-01-18 às 12h05

- Foram empossados na quinta-feira,11, na Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, os membros titulares e suplentes do

Conselho Municipal de Política Cultural de Ipatinga, para o biênio 2018-2019.

Os novos membros do Conselho receberam as boas-vindas do secretário de Cultura, Esporte e lazer, Carlos Oliveira, que enfatizou a importância do grupo para a implementação de ações mais prioritárias e eficientes na área.“Quero dizer que nossa secretaria está aqui para trabalhar em equipe e de portas abertas para ajudar a todos no que for possível para agregar um futuro promissor para a cultura o nosso município”, enfatizou.

Durante o evento, os novos conselheiros receberam um certificado de posse das mãos do diretor de Cultura, Francisco Netto, e assinaram um termo de compromisso com o Conselho.

O Conselho Municipal de Política Cultural acata as resoluções da 6ª Conferência Municipal da Cultura, realizada no ano passado. O evento aprovou a minuta do Plano Municipal de Cultura, definiu as principais políticas e demandas do setor para os próximos anos e suas deliberações servem de base para o debate das ações culturais no âmbito municipal.

Representantes da sociedade civil Foram eleitas pela sociedade civil, no segmento Entidades, Instituições, Associação, Cooperativa e Clubes: Maria Rosa de Fátima Sales Fonseca (titular) e Fernanda Coelho Carvalho (suplente).

Para o núcleo dos Grupos Mantenedores de Festas Tradicionais de Rua e Folclóricas foram escolhidos Geraldo Santos (titular) e

Damiana Pimentel Silva (suplente).

No segmento da Dança, o titular é Douglas Evangelista de Oliveira e o suplente Wesley Luiz Costa Ribeiro.

Para o núcleo de Artes Visuais e audiovisuais (artes plásticas, artesanato, artes gráficas, fotografia, cinema, vídeo, rádio e mídias virtuais), Josélia Climene Rodrigues Moreira Duarte é a titular e o suplente é Matheus Ferreira Matos. Outros titulares, com respectivos suplentes, são: Literatura - Lilian Cristina Almeida Silva e Claudia Aparecida Souza de Castro; Teatro/Circo - Elias Ferreira da Silva e Antônio Amaro Alves; Música - Wanderson Alves dos Santos e Wanderson Franco; Produtores Culturais, Empreendedores e Entidades de Caráter Multicultural, Difusão, Produção e Fomento - Leila Aparecida Cunha e Shirley Maclane Nunes Brito.

Representantes do poder público municipal

Os representantes da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer são os seguintes: Titulares - Edvone Clara de Almeida, José Francisco Ferreira Neto, Neuza Bento Valentim e Guilherme Correia Novaes. Suplentes - Marlene Silva Brum, Rogério Rodrigues de Oliveira, José Mauro Cardoso de Oliveira e Joaquim Thiago de Oliveira Júnior.

Representantes da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo: Adilson Marcelino da Cunha (titular) e Maria das Graças Benkenstein (suplente); da Secretaria Municipal de Governo: Titular - Sebastião Djalmas Martins, e Suplente - Ivanilda Claudina de Pinho; da Comissão Permanente de Educação, Cultura, Esporte e Lazer da Câmara Municipal - André Fernandes de Almeida e Acir Hebert Gomes da Silva.

Página 2 de 44